Jericoacoara – CE

A doce e charmosa Jeri

A nossa chegada em Jeri já dos dava o gostinho do que ainda estava por vir. A primeira emoção foi passar de balsa pelo rio que banha Camocim: ventava muito e a balsa parecia muito pequena para aguentar o peso do jipe. Do outro lado, seguimos pela praia, atravessando trechos completamente desertos, além de pequenas vilas de pescadores, como a tranqüila vila de Nova Tatajuba (a Velha Tatajuba foi soterrada pelas dunas).

Soubemos que estávamos chegando em Jeri, quando vimos de longe a enorme duna amarelada que fica à beira-mar. Jeri é uma praia misteriosa, seus encantos não são tão óbvios, e a beleza da praia é um conjunto de pequenas coisas:

Os Encantos de Jeri:
1) Jeri ainda se mantém um pouco virgem, pois o acesso à praia é complicado: o asfalto ainda não chegou (e espero que não chegue nunca) e o caminho até a vila é feito pelas dunas, o que acaba restringindo o acesso às camionetes com tração nas 4 rodas;

2) O mar de Jeri, ao contrário de muitas praias cearenses, é calmo e delicioso para o banho;

3) As ruelas da vila são de areia e não têm iluminação pública, mantendo ainda um ar rústico e simples. E, os fios de eletricidade são enterrados, para não comprometer a paisagem;

4) E, a tradicional “farofa” e aqueles milhares de ônibus que chegam em outras praias do Brasil nos finais de semana, dá lugar a pequenos grupos de turistas estrangeiros que não chegam a tirar o encanto de Jeri. Além disso, a praia é limpa. Isso mesmo: limpa!!!

Se não bastasse tudo isso, Jeri ainda tem a enorme duna do pôr-do-sol; as deliciosas Lagoas Azul e do Paraíso, com águas incrivelmente cristalinas; e a famosa Pedra Furada, o cartão-postal da praia.

A previsão era de passarmos dois dias por lá, e realmente chegamos a sair da pousada em que estávamos e sair em direção a Jijoca, quando resolvemos voltar para ver mais um pôr-do-sol. E valeu a pena. No mês de julho (e para nossa sorte, em uma parte do mês de agosto), o sol desce pelo centro da Pedra Furada, no final da tarde. O espetáculo dura poucos minutos, mas é inesquecível.

Nessa nossa última noite, acampados às margens da Lagoa do Paraíso fechamos com chave de ouro a nossa visita a Jeri.

PS1: Visitamos Jeri em agosto (baixa estação); em julho, janeiro, fevereiro e feriados a praia fica bem mais movimentada. Se você quer mais tranqüilidade, evite estes meses.

PS2: Mar de Jeri: águas esverdeadas, claras e calmas e praia com pouco vento. Ótimas para o banho.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
EnglishPortuguese